• 10/09/2020 - 09:33
  • Publicado por: Redação
  • Economia

Com alta na exportação, abate de suínos é o maior desde 1997

Com alta na exportação, abate de suínos é o maior desde 1997

A exportação, principalmente para a China, levou o abate de suínos ao maior patamar da série histórica – Foto: Jaelson Lucas/AEN Paraná

O 2º trimestre de 2020 registrou o abate de 12,10 milhões de cabeças de suínos no Brasil, número que estabelece um novo recorde para o setor desde 1997. O resultado significa um aumento de 6,2% em relação ao mesmo período de 2019 e de 1,8% na comparação com o 1º trimestre de 2020. O mês de junho foi o que teve melhor desempenho.

Este é um dos destaques da pesquisa Estatística da Produção Pecuária do 2º trimestre de 2020, divulgada hoje (10) pelo IBGE. A explicação para o número recorde desde o início da série histórica está ligada às exportações da carne de porco, como explica Bernardo Viscardi, supervisor das pesquisas da produção Pecuária: “A China aumentou a demanda de carne suína por conta da redução do seu rebanho de porcos, causada pela Peste Suína Africana e, com isso, aumentou consideravelmente a importação deste tipo de alimento do Brasil”, afirma o especialista.

Já o abate bovino no período caiu, apesar de a carne bovina também apresentar alta na exportação. A pesquisa mostra que foram abatidas 7,30 milhões de cabeças de bovinos, quantidade 8% inferior à obtida no mesmo trimestre de 2019, mas acima 0,3% da registrada no 1º trimestre de 2020. O resultado é o mais baixo para um 2º trimestre desde 2011. De acordo com Viscardi, reflexo da reestruturação do setor para se adaptar ao cenário adverso enfrentado desde o fim de março, por conta pandemia do COVID-19. A valorização do preço da cabeça do boi também é outro fator. “O bezerro está valendo mais, por isso há uma menor disponibilidade de animais para o abate, com mais retenção de fêmeas para criação de bezerros”, explica.

As paralisações por conta da pandemia também impactaram na queda de abate de frangos. A pesquisa aponta que foram abatidas 1,41 bilhão de cabeças de frangos, queda de 1,0% em relação ao 2º tri de 2019 e recuo de 6,8% na comparação com o 1º trimestre de 2020. É o pior resultado para um trimestre desde o 2° trimestre de 2018. “As paralisações temporárias devido à pandemia impactaram a produção dos frigoríficos. Este fator ajuda a explicar as quedas registradas”, salienta Viscardi.

Consumo de ovos aumenta em razão do menor custo do produto

A pesquisa também mostra a produção de ovos de galinha e registra que, ao todo, 974,15 milhões de dúzias foram produzidas no 2º trimestre de 2020. Este número é 2,8% maior que o registrado no 2º trimestre de 2019 e 0,3% acima do trimestre anterior. “Em períodos de recessão econômica, como o do isolamento social por conta da pandemia, tende a aumentar o consumo de ovos de galinha, por se tratar de uma fonte de proteína mais acessível do que as carnes”, explica o especialista. O pico da produção ocorreu em maio, quando foram contabilizadas 326,73 milhões de dúzias, 2% acima da produção do mês equivalente de 2019.

Já a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária federal, estadual ou municipal foi de 5,76 bilhões de litros. Este resultado significa redução de 1,7% em relação ao 2° trimestre de 2019, e retração de 9,3% em comparação com o 1º tri de 2019. Viscardi ressalta que, regularmente, os 2° trimestres são períodos de menor captação, devido à etapa de entressafra nas principais bacias leiteiras do país.

Já quanto à aquisição de couro, os curtumes declararam ter recebido 7,32 milhões de peças, uma redução de 12,8% em relação ao adquirido no 2º trimestre de 2019 e queda de 3,3% frente ao 1º trimestre de 2020. Esta redução tem relação direta com as quedas do abate de bovinos em abril e maio. A Pesquisa Trimestral do Couro investiga apenas os curtumes que efetuam curtimento de pelo menos 5 mil unidades inteiras de couro cru bovino por ano.

Fonte: IBGE


Notícias mais lidas
Veja mais